quarta-feira, 13 de maio de 2009

Ritos do Prazer - Primeira sagração

Hino das vestais aos deuses
Acabou a estação de estio, o gelo derrete, vem a névoa e o orvalho.

No solo, as sementes aguardam, sobem os vapores, juntam-se as nuvens.
Os deuses preparam a chuva, venham e propiciem a fertilidade!
Venham sobre nós, façam de nossos corpos o terreno arado e pronto.
Venham em nossos sulcos e derramem dentro de nós o néctar vitalizante, que despertará as sementes do torpor, para que todos aproveitem a safra.
Mostre a divindade pela verga, prove a autoridade pela soma.
Hino das vestais aos campineiros
Vinde, obreiros da colheita!

Vede que os deuses não demoram, cedo vem as nuvens e os campos devem estar prontos.
Tragam as enxadas e firmem os moirões.

Removam as pedras do passado e as raízes do remorso.
Não podemos atender aos deuses, nem honrá-los com nossos serviços sem sua vigorosa ajuda.

Abram nossos véus sagrados e depositem sua força em nosso templo.
Façam com seus corpos musculosos a sagração de nossos veios, amaciem e preparem nossas carnes, para receber a dádiva divina.
Hino dos campesinos às vestais
Formosas damas, eis-nos!

Nunca fugimos às obrigações, mal nos chamaste e nossos membros já atendem.
Somos homens rústicos, simples e brutos. Não possuímos riquezas, senão nossas mãos, nem temos nobreza, senão nosso trabalho.
Ainda assim nos recebe, o templo sagrado se abre, nos revelando segredos e mistérios que são negados a reis.
Recompensados com tal honra, oferecemos em profusão dessa seiva que seus corpos pedem em sagrado frenesi.
Hino dos deuses aos devotos
Eia, fruto de nossos amores!

Nós viemos de longas distâncias, escutamos o chamado da carne e nos preparamos para nutrir este mundo.
Eis a verdade, o que está embaixo é igual ao que está em cima.
Benditas são as vestais, que com seus véus dançam, chamando para si os campesinos, para que esta festa na terra se reflita no firmamento.
Assim se juntam as nuvens e nelas derramamos o sagrado néctar. Enchei os ventres das vestais com sua virilidade, campesinos, para que, do mesmo modo, derramemos a nossa seiva no ventre da Grande Mãe.
A ninguém seja permitido separar e discriminar a vida. Material e mundana, é a mesma vida, espiritual e sagrada.
Hino de gratidão dos devotos aos deuses
Grandes e respeitáveis deuses!

Aos que reconhecem a paternidade e não fogem da responsabilidade, nós agradecemos a propiciação!
Manifestada seja a lei, amor e irmandade.
Somos espirituais e carnais, como vós são carnais e espirituais.
Tal como vieram à Grande Mãe, vem os homens às mulheres.
Tal como à dádiva do amor não se impõe regra ou forma, nos unimos ao festim, para que o espirito se torne carne e a carne desperte sua alma.
Não pode haver separação, são uma e mesma essência. Portanto venham em nosso meio na próxima temporada, enquanto continuamos a seguir o ciclo sagrado e eterno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário